Estudos Bíblicos

As Sete Colunas do Lar

As Sete Colunas do Lar
Wilson Lemos
Escrito por Wilson Lemos

“A sabedoria já edificou a sua casa, já lavrou as suas sete colunas”. (Pv 9:1)

Tiago nos revela de maneira bem prática estas sete colunas da sabedoria: “Mas a sabedoria que do alto vem é, primeiramente pura (1), pacífica (2), moderada (3), tratável (4), cheia de misericórdia e de bons frutos (5), sem parcialidade (6), e sem hipocrisia [7f. (Tg 3:17)

A sabedoria já tem o nosso lar pronto. Já tem a receita de um casal estruturado e o projeto de uma família abençoada. Esta estrutura é composta de sete colunas, as quais Tiago bem especifica.

1. Primeiramente pura

Pureza hoje é uma palavra quase que dinossáurica, ou seja, praticamente extinta. Traduzindo melhor, pureza equivale ao temor do Senhor que é o princípio, ou o carro chefe da sabedoria.

Um casal precisa estar batizado nos mesmos valores do reino de Deus. Aqui está a raiz de muitos desentendimentos crônicos. É necessário um acordo no sentido de amar o que Deus ama e aborrecer o que ele aborrece. Pureza fala não apenas de valores e princípios, mas acima de tudo de motivações santificadas pela disposição de humildade e renúncia.

Pureza vem de uma visão do nosso coração. Quando Deus nos mostra o nosso próprio coração com as suas sutilezas. Se você é sábio, jamais irá comprometer sua integridade.

Sem isto não se pode falar nas outras colunas do lar edificado pela sabedoria, ou seja: “primeiramente pura”. Pureza é o ponto de partida.

2. Pacífica

A paz é a marca do filho de Deus. É onde se semeia o fruto da justiça. Não existe justiça sem um coração pacificador. A ira humana não opera a justiça de Deus. “Bem aventurado os pacificadores porque eles serão chamados filhos de Deus”.

A paz sugere um espírito de reconciliação familiar e nos coloca em contacto com a identidade de filhos, debaixo de um ambiente de revelação da paternidade divina. Isto nos coloca diretamente em contato com a nossa herança.

Para se edificar um lar, precisamos aprender com o coração de Deus o que é ser um pai. A sabedoria ensina que a chave para isto é um coração pacificador. A palavra de ordem é reconciliação.

3. Moderada

Moderação vem da humildade. Alguém que quando provocado não reage, mas age com respeito e entendimento. É alguém que não tolera a contenda. Não está neutro em relação à contenda. Está na posição de inimigo de contendas.

Se você não tem domínio próprio, pode ser que tenha “demônio próprio”. Isto pode parecer uma piada, mas é extremamente sério, e tem levado muitos casamentos à ruína total. Paulo adverte: “Irai-vos, e não pequeis; não se ponha o sol sobre a vossa ira; não deis lugar ao Diabo”. (Ef 4:26,27). Satanás sempre entra pela porta da ira descontrolada.

A ferramenta predileta usada pelo inimigo para destruir casamentos é a contenda. Com um pouquinho de orgulho já mordemos a isca. Ressentimento se instala e a vingança exige espaço.

A super valorização de situações irrisórias, o perfeccionismo, a rigidez, o endeusamento de regras particulares açoitam impiedosamente um relacionamento transformando o lar num ringue e o casamento em divórcio.

A moderação, o equilíbrio vai estabelecer limites onde o respeito mútuo será preservado. A moderação também traz a longanimidade, que pode ser definida como a capacidade de não exigir mudanças imediatas, antes acreditar nesta mudança com paciência.

4. Tratável

O casamento é uma ferramenta divina afiada para trabalhar a nossa alma. Prepare-se para ser redutível, tolerante. Esteja aberto para Deus mexer em feridas e fraquezas que até aqui ele nunca mexeu, mas que a partir do casamento certamente ele vai mexer. Problemas que o próprio casamento vai trazer à luz, como uma oportunidade de amadurecimento emocional e espiritual.

Relacionamento exige identificação, e identificação exige redutibilidade. Aqui é que entra o verdadeiro amor. Ao casar, os noivos estarão num novo nível de tratamento, quebrantamento, responsabilidade e consequentemente maturidade.

5. Cheia de misericórdia e bons frutos

Onde tem misericórdia sempre haverá bons frutos. Misericórdia fala do coração de Deus pelas pessoas. No literal significa colocar o coração nas misérias de alguém. Misericórdia pode ser definida como não receber o mal que merecíamos que é uma conseqüência da graça divina que pode ser definida como receber o bem que não merecíamos.

É desta forma que temos sido ministrados por Deus. Isto nos compromete com o amor. Portanto, todas as vezes que estendemos uma graça menor que a que temos recebido exibimos a injustiça.

É necessário, portanto, abrir mão dos próprios conceitos e preconceitos em relação à pessoa. Perdoar incondicionalmente. Perdão tem que ser um estilo de vida. Também é fundamental renunciar o que queremos ou como queremos que o outro seja.

Uma identificação profunda com a necessidade alheia. Deixe o próprio Deus te mostrar como ele está vendo a outra pessoa em cada situação. Misericórdia expressa o poder da compreensão divina e a sua capacidade de respeitar nossos momentos infelizes. Este pilar não pode faltar no casamento.

6. Sem parcialidade

Não existe submissão sem missão. E não existe missão sem submissão. O marido precisa estar em contato com a visão de Deus para sua vida. Caso contrário ele vai produzir insegurança no coração de sua esposa. Submissão significa desempenhar a missão de ajudar alguém na sua missão.

Por isto, a principal responsabilidade de uma esposa é entender qual é a missão do seu marido. Se uma mulher não pode casar com a visão de um homem, não deve casar com este homem. É necessário caminhar juntos. Visão exige acordo e entrosamento. Parcialidade impede duas pessoas de caminharem numa visão.

Saber respeitar as diferenças é fundamental para uma parceria dar certo e produzir o melhor fruto. Esforços precisam ser sabiamente coordenados. Nossas diferenças não podem ser um problema. Precisamos desenvolver uma visão profunda e abrangente de complementabilidade. Esta é uma grande lição que o machado também nos dá.

Um outro aspecto da parcialidade é o julgamento temerário e precipitado. Uma análise incompleta ou tendenciosa da situação sempre nos leva a conclusões erradas. Conclusões erradas nos levam a decisões injustas. Quem precipita peca. Um compromisso com a imparcialidade é uma das maneiras mais eficientes de evitar o pecado.

“Igualmente vós, maridos, vivei com elas com entendimento, dando honra à mulher, como vaso mais frágil, e como sendo elas herdeiras convosco da graça da vida, para que não sejam impedidas as vossas orações”. (1 Pe 3:7)

Nosso ministério e nossa vida de oração estão casados com o nosso relacionamento conjugal.

7. Sem hipocrisia

Hipocrisia é um dos maiores venenos para o casamento: cobrar o que não se vive. A partir do princípio que ensina que o profeta não tem honra na própria casa, cobrar já é uma atitude infeliz. Cobrar o que não se vive gera um clima de indignação hostilidade e desavença. Nada é mais inspirativo que a força do testemunho e da oração paciente para harmonizar um lar.

O grande clamor de Deus, o grande apelo, o grande convite, o grande peso do coração de Deus em relação a nós é que sejamos sábios: “Não clama porventura a sabedoria, e não faz o entendimento soar a sua voz? No cume das alturas, junto ao caminho, nas encruzilhadas das veredas ela se coloca.

junto às portas, à entrada da cidade, e à entrada das portas está clamando: A vós, ó homens, clamo; e a minha voz se dirige aos filhos dos homens. Aprendei, ó simples, a prudência; entendei, o loucos, a sabedoria.” (Pv 8:1-5)

Tudo já está preparado. A estrutura, a alegria, finos manjares já estão à nossa disposição. A festa está preparada e a mesa pronta. A sabedoria convida: “A sabedoria já edificou a sua casa, já lavrou as suas sete colunas, já sacrificou as suas vítimas, misturou o seu vinho: e já preparou a sua mesa.

já deu ordem às suas criadas, já anda convidando desde as alturas da cidade, dizendo: quem é simples, volte-se para aqui. Aos faltos de entendimento diz: Vinde, comei do meu pão, e bebei do vinho que tenho misturado. Deixai os insensatos, e vivei; e andai pelo caminho do entendimento”. (Pv 9:1-6)

Sobre o autor

Wilson Lemos

Wilson Lemos

Meu nome e Wilson lemos,
sou evangelista formado em bacharel em teologia pelo instituto de teologia
SETAD.

Sou casado e tenho por missão ajudar você a crescer espiritualmente em conhecimento.

Deixe um comentário